sábado, 11 de junho de 2016

Eu Sou O Numero 4

★★★
Ficha Tecnica
Data de lançamento: 15 de abril de 2011 (EUA)
Diretor: D.J. Caruso
Música composta por: Trevor Rabin
Roteiro: Alfred Gough, Miles Millar, Marti Noxon
Duração: 2hrs

Adaptação da obra homonima de Pittacus Love, o filme gira em torno da vida do adolescente John Smith (Alex Pettyfer), que na verdade não mais é que um alienígena disfarçado entre os humano, ex-habitante do planeta Lorien, que foi destruído pelos mogadorianos, seres que agora estão na Terra atrás dos nove escolhidos - jovens herdeiros de poderes especiais que, quando reunidos, poderão derrotar os seus inimigos e salvar seu novo lar, a Terra. Os três primeiros foram mortos, John é o número quatro, dando origem ao nome do filme. John se muda para a tranquila cidade de Paradise, em Ohio, após causar tumulto em uma praia na Flórida onde vivia, é ajudado por seu protetor Henri (Timothy Olyphant), enquanto descobre seus novos poderes, Smith conhece a estudante Sarah Hart (Dianna Agron) e se apaixona por ela, colocando em risco a vida de ambos e o futuro de sua raça, porque o inimigo já o localizou. A sua sorte é que a número Seis (Teresa Palmer) também o encontrou e ela pode ajudar na batalha.
Já faz bastante tempo que este filme esteve na minha listinha de filmes para assistir, e sempre vinha e voltava, mas só neste ano, que finalmente decidi assistir, e também por meu namorado falar tanto dele, acabamos assistindo. Não foi tão ruim quanto eu esperava, e não tão bom assim, para falar a verdade achei bem mediano. Algumas atuações não foram ruins como a do ator Alex Pettyfer que me fez questionar mais uma vez sobre a sua atuação, pois sempre achei que ele fosse mais um desses atores teens meia boca como Taylor Lautner e etc... que só tem um  corpinho e rostinho bonito a oferecer e mais nada, mas creio que me enganei um pouco, talvez eu mude de ideia depois, mas neste filme achei a sua atuação muito boa, assim como do ator Callan McAullife no papel de Sam, já Diana Agron me decepcionou um pouco, talvez por causa de sua personagem extremamente irritante, fazendo o papel da típica donzela indefesa, além de tirar fotos de tudo, tudo mesmo! O tempo todo! Acredito que seja isso, pois sempre achei a atuação dela em Glee impecável. Mais o ponto alto nisso tudo, foi a química perfeita entre ela e o Alex, que logo engataram um romance na vida real. Bom, eu nunca li o livro, e para falar a verdade, nem pretendo, então não posso dizer se adaptação correspondeu a expectativas dos leitores ou não, se realmente foi fiel, mas já vi alguns comentários, a maioria disseram que sim, mas mesmo assim ainda houve reclamações de uma coisa ou outra. Alguns não gostaram da escolha dos atores. A fotografia de Guillermo Navarro (do filme O Labirinto do Fauno) ficou realmente muito boa, e achei que D. J. Caruso tinha muito mais para mostrar, acredito que se o filme tivesse ficado nas mãos de Michael Bay (que produziu o filme) como diretor, teria sido bem pior, pois o diretor tem costume de fazer filmes com enredos (e comentários) bastante machistas, apesar de eu adorar Pearl Harbor, e por causa do terceiro filme dos Transformers, não pode dirigir (Graças a Deus!).
As cenas de ação são muitos boas, principalmente as do final do filme, e os efeitos especiais não foram tão ruins assim, acho que quem conseguiu mais se destacar durante o filme todo foi a Número 6 interpretada por Teresa Palmer. Mas, Eu Sou O Número 4 não se mostrou muito diferente dos filmes adaptados de livros daquela época, mesmo não tendo aquela pegada Crepúsculo, é muito fácil se comparar com outros filmes teens que foram lançados como Percy Jackson, Eragon e A Bússola de Ouro, e por muitos motivos acabou aumentando as chances da história ter continuidade, algo muito arriscado, o que pode causar uma sensação de vazio, já que são poucos que conseguem conquistar o público, principalmente baseados em livros onde há várias sequências. É bem provável que haja uma continuação, mas até agora não foi afirmado, nem mesmo se todos os atores estarão presentes nesta. O final foge bastante dos clichês, e dá um ar de curiosidade aos telespectadores. Indico as pessoas curtem esse gênero de superheroi teen.

Nenhum comentário:

Postar um comentário